Política Brasil vive as eleições mais renhidas da sua história

Brasil vive as eleições mais renhidas da sua história

Mais de 140 milhões de brasileiros vão este domingo às urnas para escolher o próximo Presidente da República. Pela primeira vez em 25 anos a escolha está nas mãos dos indecisos. O Negócios acompanha ao minuto o desfecho de uma das campanhas mais renhidas que o país já assistiu.
Brasil vive as eleições mais renhidas da sua história
00h52 No discurso de vitória, Dilma Rousseff, 66 anos, definiu as prioridades do seu novo mandato: reforma do sistema político, combate à corrupção e regresso ao crescimento económico. "Não acredito que estas eleições tenham dividido o país ao meio. Acredito que mobilizaram ideias e emoções por vezes contraditórias, mas tiveram em comum a busca de um futuro melhor para o país". Dilma Rousseff toma posse no dia 1 de Janeiro de 2015.
 
00h29 As eleições presidenciais do Brasil vistas pelos jornais estrangeiros:  

 

 
00h23 "Saio desta eleição mais vivo do que nunca, mais sonhador do que nunca, e deixo esta campanha com o sentimento de que cumprimos nosso papel", afirmou Aécio Neves, candidato derrotado das eleições presidenciais deste domingo.
 

00h18 Em 2010, Dilma Rousseff enfrentou a sua primeira disputa eleitoral. Após ocupar os cargos de ministra das Minas e Energia e da Casa Civil durante os dois mandatos de Lula da Silva, Dilma venceu o candidato tucano José Serra, no segundo turno, com 55.752.529 milhões de votos.

 
00h06 Presidente do PT defende regresso de Lula da Silva em 2018. "Eu, pessoalmente, sou a favor de que o presidente Lula seja candidato em 2018. Naturalmente, isso vai depender da disposição dele mas ele tem dito que sempre se colocará à disposição do PT", afirmou Rui Falcão
 
00h00 Com 99,95% dos votos apurados, Dilma Rousseff soma 51,645 dos votos (54.473.480 votos) e Aécio Neves 48,36% (51.023.465). 
 

Os votos brancos ou nulos atingiram 6,34% (7.139.697) e a abstenção 21,09% (30.113.579).

 
22h39 DILMA REELEITA PRESIDENTE DO BRASIL. A candidata pelo Partido dos Trabalhadores foi eleita com 51,38% dos votos face aos 48,62% do seu rival, com 97,57% dos votos contados. Com a reeleição de Dilma Rousseff, o Partido dos Trabalhadores torna-se no partido há mais tempo no poder no Brasil: são já 12 anos a caminho dos 16.
 
Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o resultado em Minas Gerais impulsionou a vitória de Dilma. A candidata do PT perdeu a eleição em São Paulo.
 
21h46 91,6% dos votos já estão apurados. Dentro de 15 minutos, o TSE anuncia o vencedor das eleições. 
 

20h52 Segundo o jornal Folha de S. Paulo, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva viaja neste momento para Brasília para se encontrar com a presidente Dilma Rousseff. Após a divulgação do resultado, agendado para as 22h00 (hora de Lisboa), Dilma fará um discurso num trio eléctrico.

 
19h13 A votação já encerrou em oito Estados: Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, e São Paulo. 18 continuam a votar.
 
19h03 Em sessão extraordinária realizada este sábado, o STE concedeu ao PT direito de resposta contra a Veja. A revista publicou na última edição (foto em baixo) que Dilma Rousseff e Lula da Silva conheciam todo o esquema de corrupção da Petrobras. O PT acusa a revista de "tentar influenciar o processo eleitoral por meio de denúncias vazias, que não encontram qualquer respaldo na realidade, em desfavor do PT e de sua candidata".
 
18h59 O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deverá divulgar o nome do novo Presidente da República às 20h00 (hora de Brasília, 22h00, hora de Lisboa). Recorde as diferenças entre Dilma Rousseff e Aécio Neves.
 
O presidente do TSE afirmou em conferência de imprensa que o acto eleitoral está a decorrer de forma "tranquila". Os crimes eleitorias (que já levaram à detenção de 147 eleitores) e a subsitutição de urnas electrónicas (2.231) estão dentro da média de outras eleições, garantiu Dias Toloffi.
 

17h35 O ex-presidente brasileiro Fernando Henrique Cardoso votou na segunda volta das eleições presidenciais brasileiras num colégio em São Paulo e criticou a divisão política do país, segundo ele, causada pelo Partido dos Trabalhadores.

 

Para Fernando Henrique Cardoso a primeira responsabilidade do presidente eleito será realizar uma reforma política. O ex-presidente criticou as suspeitas de corrupção que envolvem a petrolífera brasileira Petrobras. 

 

17h33 O ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva votou ao fim da manhã num colégio em São Bernardo do Campo (região metropolitana de São Paulo) e disse estar confiante na vitória de Dilma Rousseff. Dilma "o povo brasileiro e grande parte da sociedade do lado dela."

 

O ex-presidente também afirmou que a polarização causada pelas eleições, que gerou discussões entre militantes nas ruas e pelas redes sociais na internet, não deve implicar dificuldades para Rousseff, caso seja reeleita.

 

"Eu não acredito que haja nenhum reaccionário tentando truncar um mandato, como aconteceu com Getúlio [Vargas], como aconteceu com Jânio [Quadros]. O que há de grave é que o discurso é muito semelhante", afirmou, referindo-se a antigos presidentes brasileiros, citado pelo portal noticioso G1. 

 

18h50 O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) deverá divulgar às 20h00 (hora de Brasília, 22h00 em Lisboa) o nome do novo Presidente da República do Brasil (recorde as diferenças entre Dilma Rouseff e Aécio Neves). 

 

Dias Toffoli, presidente do TSE, avançou em conferência de imprensa que o acto eleitoral deste domingo está a decorrer de forma "tranquila". Os crimes eleitorais (que já levaram à detenção de 147 eleitores) e a substituição de urnas electrónicas (2.231) estão dentro da média registada em outras eleições, garantiu Toffoli.  

 

17h25 Dilma Rousseff votou às 8h45 na Escola Estadual Santos Dumont, na Zona Sul de Porto Alegre. "Foi uma campanha diferente. Tivemos uma morte, reviravoltas. Teve momentos em que o nível não foi muito alto, mas eu não diria que o baixo nível prevaleceu. Eu acho que teve momentos lamentáveis. Eu acredito que isso foi rejeitado pela população. Acho que a campanha teve oportunidades de confrontar opiniões e fazer um debate sadio", afirmou a candidata antes da votação.

 

Aécio Neves votou às 10h24 no bairro de Lourdes, em Belo Horizonte, Minas Gerais. O candidato do PSDB classificou a campanha eleitoral como "a mais sórdida feita no país". "Essa campanha teve duas marcas absolutamente antagónicas e muito fortes: a primeira protagonizada pela campanha adversária e pelo PT, a mais sórdida campanha já feita no país, com ofensas, com calúnias, com mentiras, protagonizada por um partido político que quis se manter no poder a qualquer custo. Essa será uma triste página da história da democracia brasileira: a forma como o PT, para se manter no poder, tratou seus adversários, Eduardo [Campos], Marina [Silva], eu e a forma como conduziu sua campanha", afirmou Aécio Neves.

 
17h02 Este sábado, 25 de Outubro, uma das últimas sondagens, realizada pela Datafolha, mostrava que o candidato do PSDB, Aécio Neves, recuperou terreno e estava tecnicamente empatado com a presidete-candidata Dilma Rousseff (PT). A petista liderava a corrida com 52% das intenções de votos válidos (excluídos brancos, nulos e os eleitores indecisos), e o tucano tinha 48%, de acordo com a revista Veja. 



pub

Marketing Automation certified by E-GOI