União Europeia Moscovici regressa a Lisboa com banca na agenda

Moscovici regressa a Lisboa com banca na agenda

O comissário responsável pelas pastas dos Assuntos Económicos e Financeiros vai encontrar-se esta terça-feira com o governador do Banco de Portugal e será ainda recebido por António Costa em São Bento.
Moscovici regressa a Lisboa com banca na agenda
Reuters
Negócios 17 de julho de 2017 às 12:19

O Comissário europeu Pierre Moscovici desloca-se a Lisboa esta terça-feira, 18 de Julho, onde terá encontros com os responsáveis do Banco de Portugal e será também recebido pelo primeiro-ministro, António Costa.

 

O primeiro encontro do dia será com o governador do Banco de Portugal, Carlos Costa, e também com a administradora do banco central, Elisa Ferreira, e acontece poucos dias depois de, na sexta avaliação pós-programa, as instituições europeias terem assinalado que "a recuperação do sector bancário tem tido progressos positivos, mas ainda não se encontra concluída".

 

Ainda segundo a agenda disponibilizada pela representação da Comissão Europeia em Portugal, ao final da manhã, o francês responsável pelas pastas dos Assuntos Económicos e Financeiros, Fiscalidade e União Aduaneira vai ser recebido em São Bento por António Costa para "uma reunião de trabalho".




A sua opinião2
Este é o seu espaço para poder comentar o nosso artigo. A sua opinião conta e nós contamos com ela.
Faltam 300 caracteres
Negócios oferece este espaço de comentário, reflexão e debate e apela aos leitores que respeitem o seu estatuto editorial, promovam a discussão construtiva e combatam o insulto. O Negócios reserva-se ao direito de editar, apagar ou mesmo modificar os comentários dos seus leitores se atentarem contra o bom senso e seriedade.O acesso a todas as funcionalidades dos comentários está limitada a leitores registados e a Assinantes.
comentar
comentários mais recentes
BCP PARABENS AOS SHORTS 17.07.2017

PARABENS AOS SHORTS E AOS QUE COMPRARAM BCP A ESTE PREÇO RIDICULO AMANHÃ JÁ VÃO COMEMORAR COM A SUBIDA DE 12% e a ultrapassagem dos 0.28

Anónimo 17.07.2017

Para entender a crise de equidade e sustentabilidade que tem afectado as economias desenvolvidas e posto territórios como os de Portugal e Grécia nas más bocas do mundo, é fundamental perceber que para uns serem excedentários ou pagos acima do preço de mercado, outros têm que pagar mais caro quando consomem bens e serviços, pagar mais taxa de imposto quando são tributados, obter menor retorno sobre o investimento quando investem, poupar menos quando aforram, ser pior remunerados, abaixo do seu preço de mercado, quando oferecem trabalho com real procura, ficar à espera que cheguem os meios aéreos de combate a incêndios que não existem quando tudo está a arder, atravessar estradas nacionais por limpar, cheias de combustível, nesses dias fatídicos, oferecer a criminosos e terroristas o material de guerra das Forças Armadas depositado nos paióis e paolins, e ir de liteira para o hospital à noite porque as ambulâncias do INEM estão paradas...

pub