Zona Euro A Irlanda vai para onde forem as multinacionais estrangeiras

A Irlanda vai para onde forem as multinacionais estrangeiras

Empresas estrangeiras foram decisivas para o crescimento do emprego em 2013 e representam 70% das exportações.
A Irlanda vai para onde forem as multinacionais estrangeiras
Nuno Aguiar 20 de janeiro de 2014 às 00:01

A capacidade irlandesa de atrair empresas para o país é um dos principais motivos para uma saída mais rápida da crise. Com um stock de Investimento Directo Estrangeiro superior a 140% do Produto Interno Bruto (PIB) e uma procura interna ainda débil devido aos esforços de austeridade, a Irlanda vai para onde forem as suas multinacionais.

"Na Irlanda, olhar para o PIB pode ser enganador. Existe uma diferença de 23% entre o PIB e o Produto Nacional Bruto", aponta Dan O’Brien, economista-chefe do ‘think tank’ Instituto para Assuntos Internacionais e Europeus. Normalmente, os países não têm diferenças significativas entre os dois indicadores (em Portugal é menos de 4% ). O fosso irlandês significa que uma grande percentagem dos lucros das empresas estrangeiras não fica no País.

Actualmente, a Irlanda acolhe mais de mil multinacionais, atraídas por uma das taxas de IRC mais baixas da Europa (12,5%) e uma mão-de-obra jovem qualificada. As empresas estrangeiras empregam cerca de 160 mil irlandeses e representam cerca de 70% das exportações do País. Pagam sete mil milhões de euros em salários e 2,7 mil milhões em impostos.

O Investimento Directo Estrangeiro (IDE) está a acelerar. Os últimos dados, de 2012, apontam para 30 mil milhões de euros de novo IDE (18% do PIB), acima dos 17 mil milhões do ano anterior. No que diz respeito a empregos, 2013 trouxe sete mil novos empregos líquidos criados por empresas estrangeiras. O maior valor registado na última década.

Alguns economistas argumentam que a dependência de capital estrangeiro, somada ao enorme peso das exportações – 108% do PIB – torna a Irlanda demasiado exposta a choques no ambiente externo, prejudicial, num mundo em desaceleração.

Dublin confia que os benefícios da presença de multinacionais superam a incerteza. Não mexer na taxa de IRC foi sempre uma das inflexibilidades face à troika e aos parceiros europeus, apesar de acusações de concorrência desleal. "Não existem quaisquer perspectivas de mexer na taxa de IRC", disse ao Negócios um responsável irlandês das Finanças.

 




pub

Marketing Automation certified by E-GOI