Mundo Ataque com drones na Arábia Saudita ameaça agravar preços do petróleo

Ataque com drones na Arábia Saudita ameaça agravar preços do petróleo

O ataque com dez drones a duas instalações petrolíferas da Saudi Aramco reduziu a capacidade de produção diária da Arábia Saudita para menos de metade: um corte de 5% na oferta mundial. Tensão na região aumenta, com Washington e Teerão a trocarem acusações.
Ataque com drones na Arábia Saudita ameaça agravar preços do petróleo
Negócios 15 de setembro de 2019 às 11:43

A Arábia Saudita está a tentar restaurar a produção de petróleo depois do ataque com dez drones a instalações da Saudi Aramco no sábado ter provocado uma quebra de 5,7 milhões de barris diários, o equivalente a 5% da produção mundial, segundo a Bloomberg.

 

A quebra na oferta, que representa perto de metade da produção diária do país, deverá ter impacto no mercado petrolífero. A perturbação é "bastante significativa", disse Mele Kyari, CEO da Nigerian National Petroleum Corp em declarações à Bloomberg. "Se ela prolongar, pode ser um grande desafio para os mercados petrolíferos".

 

O efeito do ataque já se fez sentir nas bolsas da região. O principal índice acionista da Arábia Saudita chegou a cair 3,1% este domingo. As bolsas do Kuwait e Dubai também começaram o dia com perdas.

 

Os Estados Unidos acusaram este domingo o regime iraniano de estar por trás do ataque contra as duas instalações da petrolífera estatal da Arábia Saudita.

 

O secretário de Estado, Mike Pompeo, acusou o Irão de ter "lançado um ataque sem precedentes contra o fornecimento energético mundial" e negou que a responsabilidade seja dos rebeldes iemenitas Huthis, que reivindicaram a ação.

 

O Irão considerou "insensatas" as acusações do secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo, que responsabilizou a República Islâmica por um ataque de drones no sábado contra duas instalações petrolíferas sauditas, reivindicado pelos rebeldes iemenitas, noticia a Lusa.

 

"Tais acusações e observações estéreis e indiscriminadas são incompreensíveis e insensatas", disse o porta-voz do ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano, Abbas Mousavi, sugerindo que as mesmas deverão justificar "ações futuras" contra o Irão. As declarações pretendem "minar a reputação de um país, para criar um quadro para no futuro lhe aplicar sanções", acrescentou.


Maior ataque desde a Guerra do Golfo 

O ataque, que atingiu a atingiu a principal refinaria da Saudi Aramco em Abqaiq e o campo petrolífero de Khurais, é o maior contra infraestruturas petrolíferas sauditas desde que Saddam Hussein disparou mísseis Scud contra o país durante a primeira Guerra do Golfo e expõe a vulnerabilidade do país que é responsável por 10% da produção mundial de petróleo.

Segundo a Bloomberg, a Saudi Aramco poderá manter o fornecimento aos clientes durante várias semanas, graças à sua rede global de armazenamento. A Arábia Saudita tem reservas em tanques no país, em Roterdão, Okinawa e Sidi Kerir, na costa mediterrânica do Egito.

 

O Departamento de Energia dos Estados Unidos também já garantiu que poderá recorrer às reservas de petróleo estratégicas caso seja necessário fazer face a uma disrupção no mercado.

 

A Saudi Aramco está a preparar a entrada na bolsa de Tadawul, em Riade, que deverá ocorrer até ao final do ano. Segundo analistas contactados pela Reuters, o ataque pode afetar a sua avaliação.


Notícia atualizada às 12:00 com mais informação




pub

Marketing Automation certified by E-GOI