Mercados Dabox: App da Caixa de finanças pessoais vai agregar contas de todos os bancos

Dabox: App da Caixa de finanças pessoais vai agregar contas de todos os bancos

A aplicação lançada pelo banco público pretende tirar proveito das vantagens da nova diretiva dos pagamentos e possibilitar a gestão das finanças pessoais, agregando toda a informação financeira do cliente.
Dabox: App da Caixa de finanças pessoais vai agregar contas de todos os bancos
Patrícia Abreu 24 de setembro de 2019 às 14:14

A Caixa Geral de Depósitos (CGD) lançou esta terça-feira aquilo a que chama a primeira app de "open banking" em Portugal. A DABOX vai agregar todas as contas dos clientes numa única aplicação, permitindo ao utilizador fazer uma gestão das suas finanças pessoais. Para já, a app está apenas disponível para os clientes da Caixa, mas a entidade espera abrir a aplicação a clientes de outras instituições bancárias ainda no próximo mês.

Mais do que uma aplicação que agrega as diferentes contas dos clientes, a DABOX apresenta-se como "a primeira app de gestão de finanças pessoais. É um personal trainer para as finanças", tal como explicou Maria João Carioca, administradora do banco público, na apresentação da nova app do banco.

De acordo com a mesma responsável, mais do que agregar informação, a Caixa procurou perceber como é que essa agregação faz sentido, no sentido de ajudar os clientes a gerir o orçamento da família. Através de uma categorização em oito categorias e 46 sub-categoriais, os utilizadores desta aplicação podem discriminar os gastos, perceber qual o seu orçamento disponível, identificar movimentos estranhos e estabelecer objetivos de poupança.

A app, criada em parceria com a fintech sueca Tink, lança ainda alertas em diversas situações, como quando o saldo da conta está anormalmente abaixo do valor habitual ou quando há a existência de débitos duplicados.

Para já a app DABOX não permite a realização de operações como pagamentos, mas Maria João Carioca garante que a entidade quer incluir esta possibilidade ainda este ano. Para já o objetivo da CGD é aproveitar a base de utilizadores da app do banco – são 1,6 milhões de clientes que utilizam de forma frequente a Caixa Directa – para perceber o potencial da nova app e qual o feedback dos utilizadores, sobre o que querem do open banking.

A app está preparada para aceder a todas as contas de bancos nacionais, no entanto, pelo menos nesta fase, não dará acesso a contas fora de Portugal. Depósitos e contas de títulos também ficam de fora.

Transformação digital é aposta

Maria João Carioca adiantou ainda que o banco estatal está comprometido com a transformação digital e pretende usufruir dos benefícios da nova diretiva dos pagamentos. "Esta é a nova era da banca e queremos estar nela", rematou.

Com um orçamento de 50 milhões de euros para a transformação digital do banco, a instituição gastou, até agora, 600 mil euros no desenvolvimento da app DABOX, prevendo um investimento adicional de 500 mil euros até ao final do ano, para abrir a aplicação a outros clientes e possibilitar pagamentos.

Não querendo entrar em detalhes sobre o modelo como funcionarão os pagamentos na DABOX, Maria João Carioca adiantou que é provável que estes serviços venham a ter um custo em linha com os cobrados na app da CGD.




pub

Marketing Automation certified by E-GOI