Ensino Superior 2019 Há novas regras no acesso ao ensino superior

Há novas regras no acesso ao ensino superior

A definição das vagas disponíveis vai mudar já no ano letivo 2019/2020, com aumentos de um lado compensados por cortes do outro.
Há novas regras no acesso ao ensino superior

A partir do próximo ano letivo, há novidades no acesso ao ensino superior, no que à definição do número de vagas diz respeito. Esta é uma das ideias que constam da mais recente proposta do Governo nesta área, elaborada com base nas recomendações do grupo de trabalho liderado pelo professor João Guerreiro e que a tutela aceitou.

 

 

Nesse sentido, o denominado Concurso Nacional de Acesso, que permite a entrada no ensino superior público, passa a contar com novas regras no que diz respeito à definição do número de vagas disponíveis para cada curso.

 

 

Por via da proposta de despacho do Ministério das Ciências, Tecnologia e Ensino Superior, é possível perceber um novo conceito, denominado "índice de excelência dos candidatos". Esta vertente passa a ser fator de peso decisivo na possibilidade de as instituições de Lisboa e Porto, as mais procuradas pelos jovens universitários, conseguirem aumentar ou diminuir o número de vagas que põem a concurso.

 

 

Contas feitas, o que passa a acontecer é que os cursos superiores de ambas as cidades, que apresentem maior procura por alunos de excelência – leia-se notas iguais ou superiores a 17 valores –, estão autorizados a aumentar as suas vagas em até 15% já no próximo ano letivo.

 

 

O reverso da medalha dar-se-á para os casos dos estabelecimentos de ensino que não apresentem qualquer candidato, em primeira opção, no Concurso Nacional de Acesso com uma nota superior a 17 valores. Nesse caso, tendo em conta o número de vagas disponibilizadas, terão obrigatoriamente de reduzir em, pelo menos, 5%. A única exceção a este corte diz respeito aos ciclos de estudo que integrem a denominada formação na área das competências digitais.

 

 

Dizem alguns especialistas do setor da educação que este índice pode vir a retirar hegemonia em termos de geografia na definição das vagas nos estabelecimentos públicos, nomeadamente a Lisboa e ao Porto.

 

 

Questionada sobre o tema, Clara Raposo, presidente do ISEG, defende que, no caso da sua instituição de ensino, existe "um saldo líquido positivo desta medida, mais quatro vagas, num reconhecimento da excelência da oferta". A mesma responsável refere, no entanto, não acreditar que essa medida traga grandes resultados: "Receio que os critérios utilizados para distinção entre cursos possam resultar nalgumas injustiças e acabar por fazer com que os candidatos não escolham aquilo que, efetivamente, gostariam de estudar. Em cursos com mais candidatos do que vagas não me agrada ver cortes ‘artificiais’."




Marketing Automation certified by E-GOI